As cinco tendências que estão dominando os quartos infantis

Com a proximidade do Dia das Crianças, confira as dicas de profissionais do arqdecor sobre as tendências que tornam ainda mais gostoso o cantinho dos pequenos 

publicidade

O quarto infantil é o cômodo da casa onde os limites são cruzados e tudo é possível. Nele, arquitetos e designers criam o universo particular dos pequenos, com elementos lúdicos que fazem dele, tanto um parque de diversões da imaginação, quanto um dormitório relaxante e com todas as condições para o seu crescimento e desenvolvimento. Por isso, os clássicos rosa e azul, que antes acompanhavam as crianças, dão lugar às novas tendências que inspiram e transformam esse mundinho.

Cinco escritórios – doob arquitetura, da dupla Daniele Okuhara e Beatriz Ottaiano; Manarelli Guimarães Arquitetura, dos profissionais Thiago Manarelli e Ana Paula Guimarães; o arquiteto Bruno Moraes, do escritório Bruno Moraes Arquitetura; Carmem Avila, do Carmem Avila Arquitetura; Karina Korn, à frente de Karina Korn Arquitetura e Triarq Studio de Arquitetura, comandado por Ana Paula Briza e Fernanda Takadachi, compartilham seus projetos, comentando suas propostas para cada um deles.

1 - Método Montessoriano

Móveis baixos, cama no chão, livros à mão... com o passar do tempo, o método montessoriano tem conquistado os quartos infantis. Seu foco é desenvolver a autonomia da criança, principalmente colocando os objetos essenciais para o pequeno ao seu alcance.

Método Montessoriano

Projeto doob arquitetura | Foto Divulgação

O preceito vale desde o espelho baixo até a cama próxima do chão: ambos ajudam bebês e crianças a serem independentes e descobrirem suas vontades próprias a partir das necessidades mais básicas como dormir e acordar. Daniele Okuhara e Beatriz Ottaiano, da doob arquitetura, ainda dão a dica: a altura da cama ressalta o pé direito do quarto, que às vezes pode intimidar. O móvel, em formato de casinha ou cabana, torna essa escala mais amigável ao pequeno.

2 - Quartos compartilhados

Quando as idades são próximas, é comum que os pequenos compartilhem o dormitório. Assim, surge a dúvida sobre como decorar um espaço dedicado para dois ou mais filhos e que tragam o jeitinho e a personalidade de cada um e sem perder a descontração do ambiente infantil.

Quartos compartilhados

Projeto Manarelli Guimarães Arquitetura| Foto: Ines Antich

O papel de parede neutro entra como coringa nessa jogada. Ele dá a base para o restante da decoração, como acontece no projeto do escritório Manarelli Guimarães Arquitetura, dos arquitetos Thiago Manarelli e Ana Paula Guimarães. Pertencente aos trigêmeos do casal de moradores, o que diferencia o cantinho de cada pequeno é o tom da cama e do baú correspondente, que levam as cores amarelo, rosa e azul.

Quartos compartilhados

Projeto Bruno Moraes Arquitetura | Foto: Luís Gomes

No projeto do arquiteto Bruno Moraes, a geometria também aparece em tons suaves de cinza e marrom na parede, acompanhada de lambris. Em madeira branca, as camas das irmãs têm a cabeceira no formato de casinhas e são decoradas com fios de pisca-pisca cor de rosa. Paralelas, parecem espelhadas, com a mesinha e cadeira como ponto de equilíbrio da simetria.

3 - Décor para meninas e meninos

Décor para meninas e meninos

Projeto: Karina Korn Arquitetura | Foto: divulgação

Desvencilhar-se dos padrões sobre decoração de quartos de acordo com o gênero da criança rende decorações criativas. “Prefiro sempre ouvir a criança sobre qual cor prefere, quais elementos e figuras deseja colocar e quais suas prioridades. Criança tem voz!”, comenta a arquiteta Karina Korn, de Karina Korn Arquitetura. Depois de conversar com o pequeno morador, a paleta foge do tradicional e encontra o amarelo, verde, lilás e muitas outras cores que costumam passar longe do senso comum.

4 - Estilo escandinavo

Estilo escandinavo

Projeto Triarq Studio de Arquitetura | Foto:  Carla D’aqui

Destaque já no living do apartamento, o estilo escandinavo se faz presente também nos quartos infantis. Ele é caracterizado pelas cores neutras, principalmente o branco, o uso de muita madeira para aquecer os ambientes e muitos tecidos de toque agradável.

Essa combinação também resulta na combinação de outras tendências, como a decoração não baseada no gênero da criança. Assinado pelo Triarq Studio de Arquitetura, das arquitetas Ana Paula Briza e Fernanda Takadachi, esse quartinho pertence à pequena Olívia, mas também poderia pertencer ao Pedro, Lucca, Enzo...

Os detalhes, como os adesivos de gotinhas na parede – uma ideia do pai, que afirma que não há nada mais relaxante que dormir com o barulhinho da chuva – são responsáveis por trazer charme ao espaço.


5 - Evergreen

Evergreen

Evergreen

Projeto de Carmem Avila | Foto: Rafael Renzo

A atemporalidade é cada vez mais um requisito na criação de um quarto infantil, principalmente em relação à marcenaria. Isso significa que os móveis escolhidos poderão ser aproveitados desde a primeira infância – com exceção da cama – até depois da adolescência. Esse recurso aparece em dois ambientes projetados pela arquiteta Carmem Avila para crianças, onde as cores da madeira se destacam e aquecem o décor. Os indicativos da idade aparecem nos elementos que não são fixos, como nos quadros, nos bichinhos de pelúcia e na colcha da cama.

publicidade
publicidade